25 março 2017

O que os 5 caras que me apaixonei têm em comum

Na última semana eu tenho pensado muito sobre todos os 5 caras por quem já me apaixonei. Foram poucos, pelo menos eu acho. E nenhum deles parece ter nada em comum. Não vou falar quem são as pessoas porque não tem necessidade de expô-las. Mas pra quem tiver curioso sobre: sim, um deles é o meu marido.

O Alexandre (marido) conhece todos eles e sempre me pergunta o que eu vi nessas pessoas. Sei lá, acho que ele fica um pouco curioso pelo fato de todos serem tão diferentes entre si. Dois até compartilham a mesma profissão, porém de áreas completamente opostas. E essa é toda a semelhança que você consegue reunir. 

Eu sempre achei que fosse pela inteligência e capacidade comunicativa deles. Isso faria de mim aquela coisa cult chamada sapiossexual, né? Bacana. 

Mas, comecei a ver um probleminha. Eles não têm atitudes machistas. Lógico que não é esse o problema, isso é maravilhoso quando analisado de forma simples. E ah, eu quero ressaltar que eu compreendo SIM como a sociedade, especialmente a brasileira, tem sua base solidificada no patriarcalismo. Ou seja, quero dizer que eu sei sim que a figura masculina é opressora somente em sua existência. Por mais que o rapaz seja absurdamente questionador e esteja sempre refletindo e tomando cuidado para não ser opressor, eu sei que apenas por existir ele já está inserido num mundo segregador. 

Se não estou sendo clara nesse ponto peço desculpas e tento de novo. Sabe quando você tá voltando pra casa sozinha e tem medo de QUALQUER figura masculina que surja perto de você? Então, o cara que estava andando atrás de você pode ser super bacana. No entanto, o fato dele andar ali enquanto você está só te faz sentir medo. Isso comprova o potencial de opressão de todo homem. Por mais que ele não cometa a violência física contra uma mulher. Estamos estruturados hierarquicamente e as mulheres estão na camada abaixo. 

Eu nem quero discutir teoria. Eu quero falar da minha vida. Apenas achei melhor deixar claro esses pontos. Mas, vamos voltar às 5 paixões heteroafetivas? Pois bem, o problema é que de todos os rapazes que já passaram e dos vários que estão ainda presentes no meu cotidiano eu só conheci 5 que compreendem realmente o que é violência contra mulher e todos os respectivos tijolinhos políticos, sociais, culturais que edificam o muro entre nós. 

Sem falar que... como assim o meu padrão de "tipo de cara que me atrai" é resumido a não me oprimir? A não fazer piadinhas sobre estupro, rir ou ainda se isentar de responsabilidade em um constrangimento absurdo e violento desses? 

Sabe de uma coisa? Muitos vão te falar que discordam dos crimes e acham absurdo que mulheres sejam ainda preteridas no mercado de trabalho. Muitos mesmo. Talvez na sua escola ou faculdade, em uma turma com 30 homens todos digam isso. Até porquê, convenhamos, a militância em instituições de ensino cresceu muito nos últimos 10 anos e tem sido comum que, nesses espaços seguros, as meninas/mulheres consigam se colocar contra misoginia. Mas, é provável que de todos eles, apenas um realmente se incomode e se importe em desconstruir as tênues "brincadeiras" que sustentam a lógica machista. 

Eu tenho 24 anos e só conheci 5. E você?
Leia mais sobre:

0 comentários:

Postar um comentário

 


Mandy Francesa
Direitos reservados 2014/2015 ©
Desenvolvido por Laíza Cabral
Ilustração por Carla Nascimento