25 junho 2016

Mulher, você não é livre

Tem algo que me incomoda demais no discurso de uma grande maioria esmagadora de feministas. Ah, o feminismo como todo grande movimento/ causa social não é homogêneo, você consegue perceber isso, né? Não estou aqui desmerecendo o movimento das mulheres porque eu acredito, apoio e faço parte dele. Estou criticando um dos pensamentos em pauta.
A ideia tão largamente reproduzida que me incomoda é:
 "a mulher é livre, ela pode dar em cima de quem ela quiser, ela NÃO DEVE RESPEITO."
Será mesmo? Vamos refletir sobre o sentido disso em um movimento feminino. Antes só preciso ressaltar que esse texto não é pra livrar homens de responsabilidades ou consequências. O mínimo que ele deve fazer ao estar em um relacionamento é respeitar esse relacionamento, respeitar o esforço do outro pra manter esse vínculo. É o mínimo. Se ele não consegue ter respeito a culpa é dele sim.
Esclarecido isso vamos voltar ao problema da liberdade de dar em cima de quem quiser. Vocês conseguem entender o quanto isso pode ser destrutivo pra outra mulher? Que você está ferindo uma mana sua quando você decide espontaneamente dar em cima de um homem que você sabe previamente que é casado?
Vejam bem que esse texto é cheio de ressalvas. E aqui vai outra. Estou falando de um caso em que a mulher conheceu um carinha, que ia cheio de amorzinho nela, nunca se estabeleceu como compromissado e fora da possibilidade de um novo relacionamento? Não, não estou. Compreendido? Ok.

 Estou criticando o que então? O fato de você mulher achar que tem o direito e liberdade de ir atrás de um outro compromissado e pouco se foder pra esposa/noiva/namorada que você SABE que o cara tem. Isso é um problemão e se você não entende o porquê vou te explicar o que aconteceu comigo essa semana.
Conheci um cara que parecia ser um amigo muito legal, gente fina. Até que ele deu em cima de mim. E eu lembrei "você tem namorada, nós somos apenas amigos". E ele me justificou "mas meu sonho é ficar com uma loirinha de cabelo liso pra segurar". A namorada dele é negra, tem um cabelo maravilhoso não aceito pela sociedade e nem por seu próprio parceiro. O simples fato de eu ter cabelo lisinho era suficiente pra ele desonrar o compromisso dele com a mulher. O simples fato de eu acreditar que EU SOU LIVRE, que eu posso bater no peito e gritar "EU POSSO FICAR COM QUEM EU QUISER, EU NÃO DEVO RESPEITO, QUEM DEVE É ELE" machucaria outra mulher. E mais! Eu estou contribuindo pro racismo, pra solidão da mulher negra, já tão menosprezada. Eu poderia, com minha liberdade branca e oxigenada fazer com que uma mulher se olhasse no espelho e se sentisse um lixo somente por ser quem é.
Isso é feminismo? Isso é todas por uma? Nós DEVEMOS RESPEITO entre nós. Porque eles não nos respeitam não. Eles nos trocaria por uma branca, por uma magra, por uma mais nova, por qualquer uma. Nós só temos a nós mesmas.
E você, amiga, não é livre enquanto fizer outra mulher de otária.
Leia mais sobre:

11 comentários:

  1. Digo o mesmo não apenas para a liberdade feminista nesse ponto heterossexuais m mas também LGBT! Já passei por isso é foi super foda e desconfortável demais. A garota sabia que a minha namorada estava em um relacionamento sério e mesmo assim chegou e quando falamos algo ela disse "não fiz nada de errado, sou livre pra ficar com quem quiser" e realmente mas sem acabar, de certo modo, com o relacionamento alheio. Minha namorada devia satisfações a mim se tivesse feito algo, mas a moça também devia respeito a nós.

    ResponderExcluir
  2. Carrego aquela frase comigo "não faça com os outros o que não gostaria seja feito com você" e vivo bem tranquila assim. Acho que a liberdade sempre preveem de respeito e responsabilidade, eu já ouvi mto que isso é ter atitude, é lutar pelo o que gosta, mas não sei, acho que toda atitude boa não fere ninguém... Quando vc vai da cima de alguém, fica com a pessoa e machuca outra, já vejo a situação com os olhos críticos.
    Eu sou bem feminista, mas não concordo com algumas coisas que algumas pessoas do movimento prega, tipo "homem não pode falar de feminismo ou ser feminista", acho que se quer mudança ela deve ser feita à parti da educação quero meu pai um homem mais descente e feminista meu irmão, quero dá uma educação feminista para o meu filho, quero que ele fale de feminismo, mas sem apropriação de voz, apenas como defensor de causa.
    Acho que criticar o que defendo me faz ser mais defensor ainda, vestir a camisa com inteligência sou assim no feminismo, com o meu partido, com minhas escolhas etc.

    www.cantinhob.com

    ResponderExcluir
  3. Cara, isso de respeito não vale só pro feminismo mas para relações humanas em geral. O duro é que parece que esquecemos desse detalhe tão importante na sociedade. Eu fico puta da vida com esses discursos dentro do feminismo. Esse é um deles, e numa outra versão: você, mulher, pode ficar com quem você quiser, é livre para isso e o cara não pode te impedir. Sabe, isso é uma tremenda falta de respeito com o cara como pessoa. Se reclamamos do "direito" que o cara tem de trair, nos não podemos nos dar esse direito também. Porque é falta de respeito com outra pessoa. Acho o feminismo muito legal e inclusive sou adepta ao movimento. Mas acho que as vezes deixamos a humanidade de lado nessa liberdade toda. Se o relacionamento for aberto, deve ser conversado. Cada pessoa tem seus limites, seus gostos etc, cabe a cada parceiro decidir o que é melhor para os dois na sua relação. Isso creio que valha para relacionamentos homossexuais. Porque assim como eu não gostaria que meu namorado frequentasse um show de strip, por exemplo, eu também não frequentaria. Isso se chama empatia, e ela não deve ser perdida em movimento social nenhum ou ele se aproximará dos opressores. Precisamos ser superiores a isso, e nos dar o mesmo direito que os homens se dão, sendo esses direitos criticados por nós, seria uma atitude infantil. Eu gostei bastante do seu texto por abordar esse aspecto. Nunca tinha visto essa abordagem de direitos iguais de uma forma tão sensível, empática e respeitosa como a sua. Seria bom se todas as manas tivessem sua cabeça, Mandy. Está de parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Oh Mandy, entendi total qual é a do seu texto. Tenho umas considerações também. Tipo, a primeira coisa que se conta no feminismo além da liberdade é sororidade. Nós somos realmente livres pra fazermos o que quisermos, mas e se a nossa liberdade fere uma das irmãs? Nesse caso, a gente precisa rever nossos conceitos sobre liberdade. Acho que esse discurso que o responsável em manter o relacionamento é do casal (no caso o carinha lá que quer a outra) serve para aqueles casos onde no caso "a outra" é alguém que não é desconstruído socialmente. A intenção desse discurso é diminuir a rivalidade entre mulheres. Mas digamos que eu seja a outra. Cara... Eu JAMAIS faria algo desse tipo com uma mana, porque antes da minha liberdade pessoal, eu quero respeito e sororidade entre todas. Então eu penso nessa hierarquia de valores e prioridades.
    Mas sei que nem todo mundo tem essa consciência. Então bora levantar essa discussão até a gente entender que o feminismo não tá aqui pra passar a mão na cabeça de ninguém.

    ResponderExcluir
  5. Arrasou como sempre, Mandy!
    Acredito que não só no feminismo, como em qualquer outro movimento a regra "sua liberdade acaba onde começa a do outro" é válida. Além disso, há também o fato de que qualquer ideia, como essa de que se é livre para ficar com quem quiser, quando é levada ao extremo, não pode ser aceitável.

    Beijinhos, Hel - Leituras & Gatices

    ResponderExcluir
  6. Incrível, eu não gosto de discutir sobre isso, mas vejo hoje em dia muito disso, e o pior tem mulheres que fazem isso com os esposos, sabe... Esse mundo tá ficando cada vez mais sujo, eu fico chocada com as coisas que vem acontecendo. :(

    ResponderExcluir
  7. Eu não acho que essa pauta seja do feminismo, mas sim de caráter! Se você é homem ou mulher e dá em cima de uma pessoa compromissada, você é um vadio ou vadia (desculpa os termos). Pra mim isso é simples, questão de ética e educação.

    ResponderExcluir
  8. acho que algumas lutam por causas diferentes, pelo pouco que entendo feminismo é as mulheres ficarem juntas e se apoiarem. Esse negócio de poder ficar com quem quiser independente de estar casado/namorando/noivo faz as mulheres irem completamente contra aquilo que elas mesmas estão pregando.
    Mas sei lá o seres humanos são bem complicados.
    e entendo menos como o moço que você citou pode fazer isso com a namorada :(

    ótima quarta
    bjo

    Tati C.

    ResponderExcluir
  9. Bom, acho um pouco "difícil" de me posicionar hoje em dia em algum tipo de ação pública ou movimento social, pois, querendo ou não, a sociedade contemporânea ainda se mostra preconceituosa com opiniões diversificadas. Tenho 15 anos, sou menina, sou mulher. Não gosto de sair transbordando que defendo a causa do feminismo ou que defendo a causa do machismo. A questão é que não defendo nenhum dos dois, sou neutra. Justamente porque acho que atualmente o termo feminismo não é abordado com clareza pelos que apoiam a causa, e infelizmente isso acontece em praticamente todos os movimentos sociais que vemos em nosso país, as pessoas acabam levando concepções e ideais a padrões inversos. Concordo plenamente com o que disse no texto, apesar da pouca idade, a educação que recebi em casa (e que todos deveriam receber) é que não devo fazer com o outro aquilo que não gostaria que fizesse comigo. A sociedade está vivendo de maneira tão banalizada que se quer se faz o favor de parar para estudar o que se está defendendo. Além do que a questão se envolver com pessoas compromissadas vai de caráter, pra começo de história, o errado seria envolver algo que vem do caráter e da educação a uma causa que prega igualdade, apesar de serem temas próximos, isso vai muito mais para o lado da ética de cada cidadão. Quanto ao racismo, discordo plenamente, mas claro, respeito sua opinião. Hoje em dia a sociedade está pecando em achar que tudo que fizerem de mal para uma pessoa negra vai ser justificada por ela como causa principal a quantidade de melanina que ela possuí na pele. O racismo é o preconceito, e as pessoas que lutam contra isso pregam a igualdade. Então, apesar do comentário absurdo do cara, acho que é errado pensar que a mulher vai se sentir triste por ter sido traída por uma pessoa branca, com cabelo liso e blablabla... Ela é um ser humano como qualquer outra mulher branca ou negra, azul, rosa e verde, ela vai ficar mal pelo simples fato de ter sido traída, não por que a cor dela é aquela e ela vai se diminuir.
    Eu poderia simplesmente ter falado que estava tudo ótimo, pelo fato de não me sentir a vontade me posicionando diretamente, mas dessa vez, me senti na obrigação de fazer a minha parte. Beijinhos e parabéns pelo blog e por suas ideias e opiniões tão claras a quem quiser ver.

    www.julianices.com

    ResponderExcluir
  10. Concordo com seu texto. A liberdade tem limites. Não curto alguns extremismos nos discursos de algumas feministas. Obrigado pelo texto, beijos!

    ResponderExcluir
  11. Li esse texto e fiquei assim: é exatamente isso. Nunca fiquei com homens comprometidos e, quando vejo alguém fazendo esse tipo de coisa fico com uma vontade enorme de contar pra pessoa que está sendo traída. Não porque eu queira ser fofoqueira, mas porque dá uma angústia danada saber que a pessoa está sendo feita de otária. Porque me coloco no lugar da outra pessoa e penso que se fosse comigo eu gostaria de saber, doesse o quanto fosse.

    ResponderExcluir

 


Mandy Francesa
Direitos reservados 2014/2015 ©
Desenvolvido por Laíza Cabral
Ilustração por Carla Nascimento