25 março 2017

O que os 5 caras que me apaixonei têm em comum

Na última semana eu tenho pensado muito sobre todos os 5 caras por quem já me apaixonei. Foram poucos, pelo menos eu acho. E nenhum deles parece ter nada em comum. Não vou falar quem são as pessoas porque não tem necessidade de expô-las. Mas pra quem tiver curioso sobre: sim, um deles é o meu marido.

O Alexandre (marido) conhece todos eles e sempre me pergunta o que eu vi nessas pessoas. Sei lá, acho que ele fica um pouco curioso pelo fato de todos serem tão diferentes entre si. Dois até compartilham a mesma profissão, porém de áreas completamente opostas. E essa é toda a semelhança que você consegue reunir. 

Eu sempre achei que fosse pela inteligência e capacidade comunicativa deles. Isso faria de mim aquela coisa cult chamada sapiossexual, né? Bacana. 

Mas, comecei a ver um probleminha. Eles não têm atitudes machistas. Lógico que não é esse o problema, isso é maravilhoso quando analisado de forma simples. E ah, eu quero ressaltar que eu compreendo SIM como a sociedade, especialmente a brasileira, tem sua base solidificada no patriarcalismo. Ou seja, quero dizer que eu sei sim que a figura masculina é opressora somente em sua existência. Por mais que o rapaz seja absurdamente questionador e esteja sempre refletindo e tomando cuidado para não ser opressor, eu sei que apenas por existir ele já está inserido num mundo segregador. 

Se não estou sendo clara nesse ponto peço desculpas e tento de novo. Sabe quando você tá voltando pra casa sozinha e tem medo de QUALQUER figura masculina que surja perto de você? Então, o cara que estava andando atrás de você pode ser super bacana. No entanto, o fato dele andar ali enquanto você está só te faz sentir medo. Isso comprova o potencial de opressão de todo homem. Por mais que ele não cometa a violência física contra uma mulher. Estamos estruturados hierarquicamente e as mulheres estão na camada abaixo. 

Eu nem quero discutir teoria. Eu quero falar da minha vida. Apenas achei melhor deixar claro esses pontos. Mas, vamos voltar às 5 paixões heteroafetivas? Pois bem, o problema é que de todos os rapazes que já passaram e dos vários que estão ainda presentes no meu cotidiano eu só conheci 5 que compreendem realmente o que é violência contra mulher e todos os respectivos tijolinhos políticos, sociais, culturais que edificam o muro entre nós. 

Sem falar que... como assim o meu padrão de "tipo de cara que me atrai" é resumido a não me oprimir? A não fazer piadinhas sobre estupro, rir ou ainda se isentar de responsabilidade em um constrangimento absurdo e violento desses? 

Sabe de uma coisa? Muitos vão te falar que discordam dos crimes e acham absurdo que mulheres sejam ainda preteridas no mercado de trabalho. Muitos mesmo. Talvez na sua escola ou faculdade, em uma turma com 30 homens todos digam isso. Até porquê, convenhamos, a militância em instituições de ensino cresceu muito nos últimos 10 anos e tem sido comum que, nesses espaços seguros, as meninas/mulheres consigam se colocar contra misoginia. Mas, é provável que de todos eles, apenas um realmente se incomode e se importe em desconstruir as tênues "brincadeiras" que sustentam a lógica machista. 

Eu tenho 24 anos e só conheci 5. E você?
Leia mais sobre:

09 novembro 2016

Minimalismo: um novo horizonte

Oi, gente, tudo bem?


Quem me acompanha pela fanpage tem me ouvido muito falar em minimalismo e eu queria deixar registrado ou textinho sobre como isso surgiu exatamente na minha vida e a importância desse conceito pra mim.

Eu escolhi a palavra horizonte pela sensação visual que ela me dá. Explica bem direitinho o que eu estou buscando com o minimalismo. Achei uma definição bem legal de horizonte que diz:

    "Horizonte: linha aparente ao longo da qual, em lugares abertos e planos, observamos que o céu parece tocar a terra ou o mar"

Este ano de 2016 foi muito transformador na minha vida, muita coisa em várias áreas diferentes aconteceram e buscar um horizonte, essa ideia ligada à abertura foi o que mais me motivou a começar em colocar em prática o minimalismo.

Ah, claro, eu provavelmente deveria ter começado por aqui. Minimalimo não somente está ligado àquele movimento artístico do século XX cujo objetivo era ter poucos elementos pra tentar expressar algo, usar apenas o fundamental. Como toda boa escola artística, esta que estamos falando veio pra contrapor uma que estava em alta, no caso era o expressionismo abstrato. Não entendo nem um pouco sobre expressionismo, só sei que o cenário dele era o pós guerra e as pinturas pareciam uma descarga emocional dos pintores. rs Mas óbvio que o mais legal é tirar sua própria conclusão, então segue um exemplo:


 Porém, para além de toda a parte poética existe uma aplicação prática, um estilo de viver, uma forma de lidar com todos os seguimentos da vida baseado no movimento minimalista. A ideia central de focar no fundamental permanece.

Só pra vocês me conhecerem um pouquinho melhor, eu sempre acumulei muitas coisas. E não foi do nada que a vontade de manter apenas o essencial, ou seja, descartar o excesso, apareceu. Vários acontecimentos pessoais ao longo do ano me fizeram exergar que eu não preciso me esforçar pra manter o que não me faz bem. E mais do que isso: eu vou ser feliz assim.

Pode parecer imaturidade ter chegado aos 24 anos achando que eu não seria feliz por deixar de manter várias coisas e pessoas tóxicas, mas não tem motivos pra gente se preocupar com o que que nossa vida tá parecendo, né? Ela não vai deixar de acontecer. Como a gente sente é muito mais importante do que se preocupar com o que a gente transparece. Até porque, eu até já falei sobre isso em um vídeo antigo, o que a nossa vida parece varia muito conforme a interpretação da pessoa que quer julgar o que ela parece. Definitivamente isso não revela quem somos de verdade. Fato é que eu realmente me sentia obrigada a manter tudo que aparecia no meu caminho. Eu tinha uma enorme dificuldade em me despedir.

Daí vem todos os acontecimentos de 2016 e joga essa necessidade de me despedir no meu colo. Nem todas despedidas foram definitivas, algumas foram passageiras. Essas foram ainda mais importantes no processo. Imaginem que o que aconteceu comigo foi que eu perdi a chave de um depósito e muita coisa estava estocada ali. Meses depois quando eu encontrei a chave eu já não reconhecia aqueles pertences. Nada ali fazia sentido pra mim.

Foi aí que eu percebi mais claramente que a minha felicidade está APENAS nas coisas muito pequenas. Às vezes nesse tamanho aqui:


E aí eu decidi a doar todas as roupas, bolsas e sapatos que ficaram pra trás. Eu vou vender uma grande parte da minha coleção de perfumes também. E em relação as pessoas eu simplifiquei ao máximo meu relacionamento com elas. Algumas são mais trabalhosas, obviamente.

Se você se identifica com parte disso e quer conhecer um pouco mais sobre esse "estilo de vida" eu tenho um canal pra indicar, que é o da Elisa Langsch. Ela tem muitas dicas e reflexões super legais. E já aviso de antemão que em como todo canto do planeta, nesse campo do minimalismo aplicado à vida existem aquele grupinho de pessoas que querem doutrinar o espaço alheio, impor suas formas de viver e é um pé no saco. Mas a Elisa é um doce e uma youtuber muito responsável. Ela não impõe nada.

Às vezes eu acho que meus textos pessoais tem um corpo meio desconfigurado, o texto fica meio aleatório... mas eu espero que tenha conseguido trazer algo bacana pra vocês. Talvez alguém esteja com os mesmos problemas e precise de um horizonte. Aqui é um caminho que você pode dar uma espiada, ver se te agrada, deixar confortável. Quem sabe?

Enfim, saudades de vocês. Domingo estou de volta no youtube.

Leia mais sobre:

04 novembro 2016

Todo o tipo de maldade que existe no Youtube

Quero começar esse texto pontuando duas coisas importantes a ser consideradas. A primeira é que esse não é um texto pra me vitimizar porque a realidade é que tem MUITO mais pessoas que passam o que eu enfrento sempre na plataforma. Mas só posso falar sobre mim mesma, então será um texto contando minha vivência. O segundo ponto que quero deixar claro é que caso você seja tão egoico e não tenha se dado conta, as pessoas reagem de forma diferente ao que acontece na vida delas. No meu primeiro desabafo teve gente comentando "nossa, mas você devia lidar de tal forma com isso". Sinceramente, foda-se o que você acha sobre isso tudo. Se você acha que o certo é guardar tudo isso e deixar um sorriso no rosto, peça a Deus pra fazer muitas coisas ruins com você e assim você pode fazer o tão bonito sorriso falso que você acha certo.

Como vocês sabem eu decidi me dar férias do youtube, eu não escondi o motivo. Eu preciso me afastar de toda essa negatividade dessas pessoas sem ética, sem educação, sem moral. 


Desde que comecei o canal, em seus primeiros meses de vida, lá ainda nos primeiros 500 inscritos eu já comecei a ser atacada por outros colegas da área. Outras pessoas que também tinham canal e estavam absurdamente incomodados com o meu criaram um grupo no whatsapp pra dar dislike principalmente nos meus vídeos e de alguns outros youtubers. O objetivo era tenta desestimular a gente que tava mal começando mesmo. E não parava por aí, essas pessoas passavam o dia atualizando esse grupinho com prints tirados de nossos vídeos, fazendo memes, fazendo piadas da gente mesmo, falando mal, etc. 

É claro que na época eu não sabia muito bem o que estava acontecendo, só fui descobrir depois que esse próprio grupinho de amigos do mal se autodestruíram e começaram a vazar coisas. Eu me afastei de todas essas pessoas e segui em frente.

Depois começou o ataque mais longo da história do meu canal. Por vários meses uma pessoa que fingia me tratar "normal" ficava em casa criando fakes tentando várias formas diferentes de me desestimular. O que eu fazia somente era  bloquear esses fakes, excluir os comentários e seguir adiante. Até que eu comecei a desconfiar de um padrão nesses fakes e uma amiga minha me ajudou a rastrear. Quando eu descobri que era outra youtuber, mais uma vez, foi bem triste. Na época eu não sabia se ia expor ou não e a pessoa ainda veio no meu inbox deixar vários textões completamente desequilibrados. A minha sensação vendo aquilo tudo foi como quando Harry Potter encontra o resto de corpo fragilizado do Voldemort no final do filme Relíqueas da Morte parte 2. 

E não para por aí. Comecei a sofrer com plágios e isso é horrível, gente. Eu prezo muiiiitoooo por originalidade, por criatividade e ver alguém me reproduzindo é angustiante. É uma tortura mental. Lembro até hoje que era o dia do meu casamento e uma amiga minha ficou puta vendo aquilo acontecer e liderou um batalhão pra reclamar com a outra youtuber. Ela excluiu os vídeos, fingiu que nada aconteceu e quando eu tive tempo de ver o que tinha acontecido eu já tava bloqueada por ela.

Vários pequenos problemas não deixavam de ir acontecendo. Blogueiros que até me conhecem pessoalmente espalhavam várias histórias inventadas sobre mim. Pessoas que até hoje falam mal de mim até o cu fazer bico, mas comentam em todas as minhas redes numa tentativa de talvez conquistar uma amizade por interesse? Não sei bem, nem quero saber. Eu não tenho afinidade com essas pessoas e provavelmente nunca terei. Na verdade elas me assustam. Esse desespero por parcerias, essa necessidade RIDÍCULA de aprovação praticamente implorando por inscritos. Essa própria visão sobre seus trabalhos sem qualidade comentando aleatoriamente "amei o vídeo" só pra você ir dar esses mesmo gostinho falso de aprovação no canal dele (a). Gente, isso é tão babaca. Eu não correspondo a essas misérias e muita gente fica puta.


Eu tô aqui no meu blog, no meu canal, no meu instagram, no meu twitter pra ser eu mesma. E eu sou EXTREMAMENTE verdadeira. Não vou te cumprimentar com sorriso e brilho nos olhos e por trás deslegitimiar o que você conquistou. Ou eu vou cagar pra sua vida ou eu vou me importar de verdade. 

O último ataque mais grave, vocês viram porque tomou uma proporção muito grande, mobilizou muita gente, eu tenho uma leitora maravilhosa que me prestou atendimento legal de graça e eu precisava explicar o que tava acontecendo. Muitas leitoras minhas estão em grupos feministas, onde rolaram megazords pra me ajudar... eu vi que eu tinha que prestar um mínimo de satisfação depois de todo carinho e preocupação que recebi.

E o objetivo desse texto hoje é novamente ser transparente com vocês que me acompanham, que sempre deixam comentários cheios de uma energia maravilhosa. E sendo bem transparente mesmo, eu resolvi contar tudo isso só porque eu sinto que vocês são amigos que eu poderia desabafar. 

Estar no youtube me traz coisas incríveis, minha maior conquista é ter vocês comigo. Vocês são maravilhosos. Ao ponto de estar tomando banho conversando com meu marido sobre parar o canal de vez e não conseguir porque eu vou sentir falta de vocês.

Só é realmente muito difícil, gente. Vocês não fazem ideia da quantidade de merda que outros blogueiros fazem. Da quantidade de desabafos, de choro que eu já recebi por causa desse povo invejoso e incapaz. Falta uma total noção de ética. Eu valorizo tanto isso e é por isso que me dói ver essas coisas acontecendo. Eu me preocupo demais em ser o mais certa possível com vocês, com outros blogueiros. Eu dou créditos sempre. Retirar o crédito da ideia de alguém é errado. Se você reproduziu uma foto minha no instagram o mínimo que você pode fazer é dizer "ah vi essa foto no ig da fulana e achei tão linda que quis fazer também". É o mínimo. E poucos se preocupam com isso. E é falta de respeito. Falta de profissionalismo.


Isso tudo além de ser obviamente horrível por si só começou a me deixar muito insegura. Eu tenho receio de me aproximar de outros blogueiros, de confiar novamente. Porque a sensação é de que eu não posso criar amizade com ninguém porque a falsidade é enorme. E isso me inquieta, foi aí que eu vi que era hora de parar, respirar, aprender um pouco mais com tudo isso e me fortalecer.

Eu não vou parar o canal. Mas vou aproveitar muito essas férias. Preciso limpar minhas energias, me imunizar. Eu amo escrever, amo gravar vídeos, amo editar, conversar sobre nossos temas lá do canal. E eu já tô morrendo de saudade disso tudo. Obrigada por compreenderem tudo isso. E aos leitores sinceros que ficaram aqui lendo isso até o final, obrigada por serem meu ombro amigo. 


Leia mais sobre:

30 outubro 2016

Resenha Versense - Versace




Chegooooou o meu Versense da casa Versace!


Esse perfume quando a gente borrifa é beeemmmmm cítrico, parecem raspas de limão, laranja e tanjerina (daquelas amargas). Sensação de acordar numa manhã gelada e por algum motivo culinário começar a raspar essas frutas! Não parece suco, parece casca. Amei!



Depois eu comecei a sentir alguma flor branca limpa que eu não identifiquei. Nada doce, longe de ser jasmin ou chamativa com um lírio. Nada atalcado da rosa. Só uma flor branca. Curti. Senti Figo sim, infelizmente. Porém, não é como outros perfumes que parece um doce de figo. Aqui parece a fruta mesmo. E foi ok. Não vou dizer que gostei de sentir ele, mas também não atrapalhou meu amor aqui. E ele vai embora, ótimo!


Tem uma base limpa de almíscar muito linda! Que confortável, que sensação boa de que não importa o calor desse Rio de Janeiro, não estarei suja e suada! AMO isso. Também tem sempre uma sensação ardida, mas não é de pimenta rosa.


No Chance (edp, Chanel) eu vejo essa pimenta rosa e acho bem quente e sedutora. Bem olha nos olhos e diz "tonight I'll be your naughty girl". A sensação aqui não é nada disso. É um ardidinho leve, gostoso, gelado, refrescante. Amei mesmo! Será que é o cardamomo? Imagino que sim, pois fui pesquisar e descobri que é uma espécie de gengibre. Nunca comi isso, mas acho que tem a ver. 

Não senti sândalo graças a Deus e nem jasmim, pelo menos não aquela sensação de néctar doce que jasmim tem e muitas vezes aparece como no Miss Dior edp. Digo graças a Deus porque eu acho que desandaria o perfume na minha pele e ele deixaria de ser esse frescor tão limpo na minha pele.




Tem um vídeo de arrume-se comigo de uma blogueira que eu lembrei logo ao usar esse perfume! Vejam aqui! Não consigo parar de imaginar coisas sobre esse perfume. Que cheirinho fantástico. Seria uma ótima assinatura para aquela pessoa bem resolvida que prefere economizar para viajar e aproveitar cada segundo do que ostentar em redes sociais, sabe? Ah incrível, posso pensar em filmes, livros, personagens, poesias, músicas.... esse perfume me faz sonhar.

Achei o perfume super elegante, fino. Me dá vontade de usar minha calça flare de cintura alta, um salto básico de alguma marca luxuosa com uma blusa branca levinha. Usaria no trabalho, em faculdade, no dia a dia, num final de semana em Saint-Tropez ou numa viagem a Tailândia!

 
Sobre a fixação eu achei excelente, são 23:19 e desde as 15h ele está aqui limpando minha pele. A projeção eu gostei. Mas preciso avisar que é um perfume que combina com quem quer estar perfumado pra si mesmo. Pra aproveitar o cheiro de sua própria pele limpa e bem cuidada. Não espere passear e receber elogios de pessoas distantes. Mas passei a tarde de domingo com meu marido na cama, aquele dia de preguicinha, sabe? E ele disse que achou maravilhoso.

E lógico que farei resenha em vídeo e provavelmente repetirei coisas ditas aqui, mas como estou de férias e muito apaixonada por esse cheiro, resolvi já fazer uma resenha por escrito!


Comprei no esuro por indicação do Jhony Togneri e AMEI! Muito! Amigo, você é muitoooo cheiroso! Assistam a resenha dele aqui


Espero que tenham gostado da minha resenha! Se conhece esse perfume ou ficou com vontade de conhecer, me conte nos comentários! Beijos!





Leia mais sobre:

 


Mandy Francesa
Direitos reservados 2014/2015 ©
Desenvolvido por Laíza Cabral
Ilustração por Carla Nascimento